Número total de visualizações de página

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Dos amores enjeitados


... não reza a história. Dos trágicos, sim. Olhos furados, filhos esventrados, ele mata-se, ela mata-se, afinal foi engano, ainda assim estão os dois mortos.
Mas os enjeitados, para onde vão?

Discutimos algumas possibilidades, lembras-te? Quando ainda acreditávamos que talvez pudesse ser. Que, se nos esforçássemos muito e pensássemos bem e tivéssemos imaginação, encontraríamos o como de o nosso amor ser. É o que nós fazemos, todos os dias: encontramos soluções. Como não havíamos de encontrar uma para o nosso amor, sem o enjeitar? Talvez não te estivesses a esforçar o suficiente. Talvez eu não me estivesse a esforçar o suficiente. Assim, as culpas, à vez, a iludir o que mais tarde acabámos por aceitar: o nosso amor não tinha lugar. Não podia ser. Era indesejado. Era despropositado. Era irregular. Ninguém o queria. Nós não o queríamos.

O que fazer a um amor cheio de vida, todo potência, que ainda não sabe andar, não sabe ser, não é desejado? 
Abandoná-lo à beira da estrada e esperar que o levem? Deixá-lo morrer à fome? Sublimá-lo numa solução poética imaginada com amor para acabar com o amor?
Porque, dos muitos erros de cálculo que cometemos, esse foi o que nos continua a perseguir: não imaginámos que ele pudesse existir para além da nossa vontade. Que pudesse ser sem nós.
Cometemos todas as ousadias que podíamos. Dissemos-lhe: vai-te embora. Não te queremos. Conseguimos viver sem ti. Virámos as costas e afastámo-nos devagarinho, um pé pousado devagarinho à frente do outro para não ouvirmos os nossos passos. Como se o eco dos nossos passos nos pudesse ligar ainda, um fio azul de som, esticado, cada vez mais esticado, mas sempre a indicar o caminho.

Imaginas tamanha temeridade? Eu sei que sim. Pagas por ela todos os dias, como eu.
Nunca mais viver com os dois pés do mesmo lado. Nunca mais estar inteiro em sítio algum. A exigir a tudo e a todos a correção permanente, a não aceitar erros de ninguém.
Como podemos? Se vivemos na fratura do que fizemos. Se escolhemos fingir que a melhor parte de nós não vive. Como podemos aceitar mais falhas sem ruir? Tudo tem de estar sempre inteiro à nossa volta, condenados à correção permanente dos erros dos outros, dos nossos pequenos erros. Comparado com este, todos os nossos erros são pequenos. Não podemos. 

Anos depois, continuamos sem conseguir responder: para onde vão os amores enjeitados? Para o limbo dos amores, à espera que um dia nos  ultrapassemos, sejamos maiores do que somos e o resgatemos? E os que nunca foram resgatados? Continuarão lá à espera do tiro misericordioso? Cheios de si, tanto amor, nem percebem que ninguém os quer. 
Aqui, onde estou, sei o que pagámos. Não sei o que ainda pagaremos, mas sei que é para nós pior viver sem ele do que para ele viver sem nós. 

RD,  24.09.2015

2 comentários:

  1. Não me lembro se na altura escrevi ou talvez tenha pensado para mim que os blogues não se podem simplesmente abater quando nos apetece. Eles enlaçam a gente e depois parece que também temos direitos, porque não suportamos ser enjeitados todo este tempo. Em boa hora reencontro "falsas evidências" com um texto que me ajuda a ser inteiro a cada hora, a cada dia. Obrigado, Regina Duarte.

    ResponderEliminar